O que é Epicondilite Lateral do Cotovelo

A Epicondilite lateral ou cotovelo de tenista é uma síndrome que ocorre na lateral do cotovelo por movimentos repetitivos ou estresse exagerado.

No epicôndilo lateral do cotovelo se originam os tendões dos músculos extensores do punho, mão e dedos (os que abrem a mão). No epicôndilo medial originam os tendões dos músculos flexores das mesmas estruturas (fecham a mão).

Qual a causa da Epicondilite Lateral?

O excesso de movimentos repetitivos ou aumento da sobrecarga muscular começam a aumentar a tensão dos tendões extensores junto a inserção no úmero.
Inicialmente ocorre um processo inflamatório local, causando dor principalmente ao serrar o punho e flexionar o punho e limitação do movimento, momento ideal de iniciar o tratamento.


Persistindo com o estresse local pelos exercícios ou esforços, começa uma degeneração das fibras de colágeno contida nos tendões, agravando a patologia.
Num próximo estágio, as fibras do tendão fibrosadas perdem sua elasticidade e rompem, levando a dor continua e perda da força do tendão rompido.


Ocorre em pessoas que realizam muitos movimentos repetitivos com a movimentação dos dedos e punho, como uso excessivo de computadores sem apoio do antebraço, carpinteiros, eletricistas, cozinheiros que realizam movimentos pesados rotatórios (prono-supinação) e em esportistas jogadores de tênis, squash e beisebol.


O quadro clínico inicial é a dor na face externa e limitação da extensão do cotovelo. Nos casos mais graves, a dor piora já nos movimentos do cotidiano como abrir porta, carregar um balde ou uma caixa, podendo haver perder a força.


O diagnóstico é clínico, com manobras ortopédicas específicas. Poderá ser realizada uma Ultrassonografia e uma Ressonância Magnética, onde se consegue verificar se há edema sem rutura ( Grau 1), rutura parcial (Grau 2) e rutura total (Grau 3).


O tratamento se inicia com a orientação dos movimentos que estão sendo realizados de forma errada, gelo, anti-inflamatórios orais e alongamentos.
Sem uma melhora visível, parada da atividade agressora, fisioterapia, analgésicos orais, corticoide e alongamentos, podendo ser realizada uma única infiltração com corticoide,


No Grau 3 como há rutura, o tratamento poderá ser cirúrgico.
Portanto, ao começar com dor na face lateral do cotovelo, que dificulta segurar um objeto com o cotovelo esticado ou nas rotações, procure um ortopedista para iniciar o tratamento, antes que se agrave.